Clicky

Convergência Digital - Home

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Convergência Digital
Por Roberta Prescott* - 07/06/2021

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples e envolve transformações internas, alinhamento estratégico, mudanças em processos e, mais que tudo, definição de objetivos.

A cultura data-driven, segundo explicou Ricardo Santana, sócio-líder do centro de excelência para dados, inteligência artificial e automação  da KPMG, consiste em tomar decisões embasadas em dados e ela existe quando uma empresa organiza seus processos e métricas com base nos dados reais, fugindo de decisões embasadas em intuição.

Trata-se, segundo Jefferson Denti, líder da prática digital da área de consultoria da Deloitte, de uma jornada de transformação cultural acima de tudo e para passar por ela as empresas precisam se questionar como operam hoje; como se engajam com os clientes e como transformam o seu negócio. "Se pegar os setores, o bancário, com as fintechs e bancos digitais dominando, porque têm conhecimento digital mais forte e sabem entregar algo mais individualizado", exemplificou Denti.

Na definição do líder de digital da Deloitte, uma empresa data-driven consegue traduzir a necessidade dela de negócio em perguntas claras, usando técnicas quantitativas para achar insights e contando com talentos que sejam "purple people", quando junta a lógica de negócio com a lógica de tecnologia.

Isso, completou, se traduz em uma cultura voltada a dados, com boa definição de negócio, pessoas qualificadas e preparadas e contando realmente com as ferramentas e os dados necessários. Quando tudo isso está bem  orquestrado os resultados aparecem.

É fundamental, portanto, ter a consciência de que a orientação a dados é um fator crítico para a competitividade das empresas, conforme assinalou Luiz Riscado, diretor de negócios do SAS. "Quando estamos falando de data-driven estamos falando de ser data-driven para quê? Ser data-driven por si não se justifica; tem de ter finalidade, que é a tomada de decisão o mais real time possível, com o uso da melhor e mais avançada estatística possível e com a maior amplitude de dados possível. Ou seja, inteligência em tempo real, compartilhada, sistêmica e corporativa é o fim; data-driven é meio", explicou Riscado. 



Destaques
Destaques

Multinuvem do Serpro vai concorrer com a do Ministério da Economia

Estruturada a parceria com AWS, Huawei e Azure, da Microsoft, estatal passa a disputar contratos com órgãos públicos, em briga direta com nuvem licitada e gerida pela Secretaria de Governo Digital.

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site