Clicky

Risco de apagão de energia revive pesadelo para Telecomunicações

Ana Paula Lobo* ... 28/05/2021 ... Convergência Digital

O pesadelo do apagão de energia elétrica está de volta no Brasil. Nesta sexta-feira, 28/05,  as distribuidoras de energia do Distrito Federal, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás e Rio de Janeiro, reportaram interrupção do fornecimento de energia.

Faltou luz por cerca de 20 minutos em Brasília, por exemplo. A EDP Brasil informou que os clientes de suas distribuidoras em São Paulo e Espírito Santo também tiveram o fornecimento afetado entre 11h26 e 11h51. Em São Paulo, foram 190 megawatts (MW) de cargas interrompidas, impactando em torno de 210 mil clientes. Já no Espírito Santo, foram 256 MW, com impacto em cinco clientes industriais.  A agência reguladora do setor, Aneel, responsabilizou a falha técnica de duas linhas de Itaipu pelo apagão. Mas a situação não é tranquila ou pontual.

Nesta quinta-feira, 27/05, o Sistema Nacional de Meteorologia (SNM) emitiu um alerta de emergência hídrica associado à escassez de chuvas na região hidrográfica da Bacia do Rio Paraná, que abrange os Estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná, para o período de junho a setembro deste ano. O Conselho de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) admitiu que o setor enfrentou o pior regime de chuvas, entre setembro e maio, em 91 anos. O Governo, porém, ainda não detalhou nenhum programa de racionamento de energia ou ações para contornar a questão.

O racionamento de energia afeta toda a produção industrial, mas é muito sentido no setor de telecomunicações. Em novembro do ano passado, por exemplo, um apagão atingiu o Amapá. Foi necessário um esforço concentrado da Anatel, Ministério das Comunicações e das teles para garantir um mínimo dos serviços em atividade. Boa parte desses serviços, como telefonia móvel e internet, foi ofertado por meio de geradores a diesel. Mesmo com a força-tarefa, menos 30% dos serviços celulares, por exemplo, deixaram de funcionar no apagão.

A opção por geradores a diesel  para contornar o abastecimento tradicional de energia não é novidade para o setor. Em 2009, um apagão - em novembro - fez faltar luz em 18 estados. À época, os data centers acionaram suas contingências, entre elas, os geradores a diesel. Operadoras também tiveram que mobilizar seus geradores.

Em 2012, o problema se repetiu e a indústria adotou planos de contingências, e de novo, os data centers, tiveram que refazer os estoques de geradores a diesel. Em 2014, mais uma vez, os geradores saíram do limbo. “Energia no Brasil é [um bem] precioso, não só pelo custo, mas também [pela questão da] disponibilidade. Tem muito datacenter que não cresce, porque não tem energia”, afirmava Henrique Cecci, diretor de pesquisas do Gartner. Em 2021, os geradores a diesel voltam à cena, mas há um novo ator: a energia solar. Muitas teles, por exemplo, investem em energia solar para reduzir o gasto da energia tradicional.

*Com agências de notícias


Internet Móvel 3G 4G
Movile vai às compras com novo aporte de investidor global

Grupo global de Internet, Prosus, é o principal investidor da desenvolvedora de negócios como iFood, MovilePay, PlayKids, Afterverse, Sympla e Zoop, e completou o aporte de R$ 1 bilhão não empresa nacional. Games entram na mira.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Teles sugerem prêmio às cidades que facilitarem antenas de 5G

Ideia é copiar marco legal do saneamento e pontuar os municípios com regras amigáveis à telecom em ranking de acesso a recursos públicos e convênios. 

Anatel adia decisão sobre uso de ‘white spaces’

Proposta prevê uso secundário e por dispositivos de radiação restrita do espectro ocioso nas faixas de 54 a 72 MHz, 174 a 216 MHz, 470 a 608 MHz, 614 a 698 MHz. 

TIM convoca rivais para brigar por propaganda com Google e Facebook

Os planos de uma carteira digital única não andaram como o desejado, mas a TIM almeja uma plataforma única de publicidade. “Se nos reunirmos podemos competir com Google e Facebook em um mercado muito maior”, vislumbra o presidente Pietro Labriola. 

Embratel se diz pronta para migrar antenas parabólicas de Banda C para a banda KU

Empresa assegura ter todas as condições para atender aos radiodifusores brasileiros e, em breve, terá o Star One D2, que terá 28 transponders em Banda C, 24 transponders em Banda Ku, um payload em Banda Ka, além de Banda X para uso militar. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G