Clicky

Justiça Federal abre caminho para indenizações por velocidade da internet

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/07/2021 ... Convergência Digital

Uma decisão da Justiça Federal de Santa Catarina abre caminho para pedidos de indenização dos clientes da Vivo, Claro, Tim e Oi que demonstrarem velocidade de conexões internet abaixo do que foi contratado. 

A decisão da 3ª Vara Federal de Florianópolis se dá em uma ação civil coletiva movida pelo Ministério Público Federal em 2018. O MPF sustentou o direito à devolução proporcional do valor do serviço cobrado e não prestado na fatura do mês subsequente, quando houver redução da velocidade de conexão contratada.

Como explica o advogado e diretor de inovação e ensino da Smart3, Walter Capanema, o MPF conseguiu demonstrar ausência de atendimento de normas administrativas da Anatel. Há uma decisão de mérito. Resta a cada consumidor que se sentiu prejudicado demonstrar o tamanho de seu prejuízo. 

“Não se discute mais se tem ou não o direito. Cada consumidor lesado poderá executar individualmente essa decisão, demonstrando os períodos de degradação da velocidade contratada. Há pontos da decisão, sobre medidores de velocidade, que inclusive já existem e podem ser usados gratuitamente”, diz Capanema. 

A decisão do juiz federal Diógenes Teixeira tem cinco determinações: 

1) condenar Oi, Telefônica Brasil, Claro e Tim em obrigação de fazer, consistente na definitiva disponibilização de equipamentos e aplicativos para medição da velocidade de conexão do serviço de comunicação multimídia (internet banda larga) e serviço móvel pessoal (internet móvel) fornecidos aos consumidores, gratuitamente;

2) na hipótese de reclamação do consumidor quanto à velocidade contratada e a efetivamente medida, condenar Oi, Telefônica Brasil, Claro e Tim a acompanharem diretamente a falha indicada pelo consumidor, com apresentação nas faturas subsequentes da velocidade efetivamente atingida;

3) observada a responsabilidade de cada uma das rés em face do serviço disponibilizado, condenar a Oi, a Telefônica Brasil, a Claro e a Tim Celular em obrigação de pagar, consistente na devolução proporcional do valor do serviço cobrado e não prestado na conta/fatura do mês subsequente dos usuários, quando houver redução da velocidade de conexão contratada (especialmente quando as velocidades instantâneas mínimas de conexão no Período de Maior Tráfego – PMT (das 10 às 22 horas), previstas em Resoluções da  Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel, não forem observadas);

4) condenar em obrigação de fazer a Anatel, na condição de Agência Reguladora do serviço de telecomunicações, a informar aos consumidores do serviço em questão, em seu site e por intermédio dos meios de comunicação, acerca dos equipamentos e meios de medição da velocidade de internet, bem como realizar fiscalização efetiva sobre os termos das condenações impostas às demais demandadas, informando mensalmente ao Juízo, durante o período de 1 (um) ano, o cumprimento da ordem judicial, sob pena de multa no valor de R$ 10 mil por dia de atraso; 

5) condenar Oi, Telefônica Brasil, Claro e Tim e a Anatel a darem ampla divulgação do resultado da demanda, por meio da publicação da decisão judicial em jornais de grande circulação estadual e nacional, em cláusula contratual e em seus respectivos sítios eletrônicos (após o trânsito em julgado), haja vista o interesse público evidenciado na causa.

Em nome das operadoras, o sindicato nacional das grandes teles, Conexis, respondeu que “as empresas informam que não comentam ações judiciais em andamento”. 


Internet Móvel 3G 4G
Com aporte de R$ 5 milhões por crowdfunding, MVNO Fluke avança em mais seis Estados

Startup de telefonia, que usa a rede da Vivo, vai distribuir chips em Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Modelo de atuação não envolve loja física e expectativa é chegar a 50 mil clientes até o final do no.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Teles sugerem prêmio às cidades que facilitarem antenas de 5G

Ideia é copiar marco legal do saneamento e pontuar os municípios com regras amigáveis à telecom em ranking de acesso a recursos públicos e convênios. 

Anatel adia decisão sobre uso de ‘white spaces’

Proposta prevê uso secundário e por dispositivos de radiação restrita do espectro ocioso nas faixas de 54 a 72 MHz, 174 a 216 MHz, 470 a 608 MHz, 614 a 698 MHz. 

TIM convoca rivais para brigar por propaganda com Google e Facebook

Os planos de uma carteira digital única não andaram como o desejado, mas a TIM almeja uma plataforma única de publicidade. “Se nos reunirmos podemos competir com Google e Facebook em um mercado muito maior”, vislumbra o presidente Pietro Labriola. 

Embratel se diz pronta para migrar antenas parabólicas de Banda C para a banda KU

Empresa assegura ter todas as condições para atender aos radiodifusores brasileiros e, em breve, terá o Star One D2, que terá 28 transponders em Banda C, 24 transponders em Banda Ku, um payload em Banda Ka, além de Banda X para uso militar. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G