Clicky

Anatel discute ajustes no Funttel para permitir uso de recursos no Open RAN

Luís Osvaldo Grossmann ... 16/06/2021 ... Convergência Digital

Com a aprovação de uma agenda de modernização normativa do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações, Funttel, a Anatel indicou ao mercado nesta quarta, 16/6, que há espaço para uso dos recursos do fundo para a compra de equipamentos com tecnologia Open RAN.

Foi o que apontou o superintendente de outorgas e recursos à prestação da agência, Vinicius Caram, na segunda reunião do GT Open RAN, com cerca de 90 participantes entre fabricantes de equipamentos, operadoras e institutos de pesquisa. Já é possível usar recursos para projetos de inovação, caso do CPqD. Mas para a compra de equipamentos, há que ser superada o uso para importados.

Para este ano, o Funttel conta com cerca de R$ 380 milhões, sendo a principal fatia – R$ 368 milhões – para financiamentos na modalidade reembolsável, e outros R$ 13 milhões não reembolsáveis. Mas o uso dos recursos depende de ajustes nas regras do fundo e acertos com os braços financeiros.

“Os agentes BNDES e Finep têm linhas de financiamento, inclusive para equipamentos. A gente sabe que a parte de equipamentos Open Ran ainda não está completamente madura, nem existe algo com tecnologia nacional. Teremos que avaliar como isso poderia ser feito, como adaptar as linhas já existentes no Plano de Aplicação de Recursos, bem como inserir esse rol de tecnologia no plano estratégico”, explicou o chefe da assessoria técnica da Anatel e representante de agência no Conselho Gestor do Funttel, Humberto Pontes.

O caminho mais realista seria usar recursos reembolsáveis – empréstimos, na prática – mas seria também preciso superar a questão de que ainda não há tecnologia nacional de Open RAN. Segundo Pontes, um caminho poderia ser condições diferenciadas, mas que não impeçam o investimento em equipamentos importados.

“Estamos discutindo com BNDES e Finep para criar alternativas, priorizando o equipamento com incentivos, como uma taxa menor ou outras formas. Sabemos que é importante não amarrar demais e criar instrumentos que estimulem a utilização", sustentou Pontes.

Como ressaltou o presidente da Brisanet, Roberto Nogueira, a permissão para financiamento dos importados poderia seguir o que foi feito nas regras das debêntures incentivadas. “O mesmo deve ser feito para esse recurso do Funttel, ainda que no reembolsável. Se não tiver acesso a equipamento estrangeiro vai ter muito gargalo, porque é algo novo e ficará limitado.”

Segundo o CPqD, principal alvo dos recursos do Funttel, a indústria nacional também pretende explorar esse nicho. “A indústria nacional ainda não tem produtos para entrar no mercado, mas temos recebido consultas e visto interesse reais de fabricantes locais. Então essa possibilidade, seja com recursos reembolsáveis ou não reembolsáveis, poderia agregar para inserir a indústria nacional nesse ecossistema.”


Internet Móvel 3G 4G
Movile vai às compras com novo aporte de investidor global

Grupo global de Internet, Prosus, é o principal investidor da desenvolvedora de negócios como iFood, MovilePay, PlayKids, Afterverse, Sympla e Zoop, e completou o aporte de R$ 1 bilhão não empresa nacional. Games entram na mira.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Teles sugerem prêmio às cidades que facilitarem antenas de 5G

Ideia é copiar marco legal do saneamento e pontuar os municípios com regras amigáveis à telecom em ranking de acesso a recursos públicos e convênios. 

Anatel adia decisão sobre uso de ‘white spaces’

Proposta prevê uso secundário e por dispositivos de radiação restrita do espectro ocioso nas faixas de 54 a 72 MHz, 174 a 216 MHz, 470 a 608 MHz, 614 a 698 MHz. 

TIM convoca rivais para brigar por propaganda com Google e Facebook

Os planos de uma carteira digital única não andaram como o desejado, mas a TIM almeja uma plataforma única de publicidade. “Se nos reunirmos podemos competir com Google e Facebook em um mercado muito maior”, vislumbra o presidente Pietro Labriola. 

Embratel se diz pronta para migrar antenas parabólicas de Banda C para a banda KU

Empresa assegura ter todas as condições para atender aos radiodifusores brasileiros e, em breve, terá o Star One D2, que terá 28 transponders em Banda C, 24 transponders em Banda Ku, um payload em Banda Ka, além de Banda X para uso militar. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G