Clicky

INTERNET

Google vai pagar multa de R$ 1,3 bilhão e mudar plataforma de publicidade

Convergência Digital* ... 07/06/2021 ... Convergência Digital

Em acordo com autoridades da França, a Google anunciou que fará mudanças em seu negócio de publicidade global para evitar abuso de posição dominante, cedendo à pressão antitruste pela primeira vez em um acordo histórico com as autoridades francesas. O acordo também inclui o pagamento de multa de 220 milhões de euros, o equivalente a R$ 1,3 bilhão.

É a primeira vez que a gigante de tecnologia dos EUA concorda em fazer mudanças em seu enorme negócio de publicidade, que traz a maior parte de sua receita. “A decisão de sancionar o Google é de particular importância porque é a primeira decisão no mundo com foco nos complexos processos de leilão algorítmicos dos quais o negócio de anúncios online depende", disse a chefe antitruste da França, Isabelle de Silva.

Os reguladores da concorrência franceses disseram que a Google usou sua posição como a maior empresa de publicidade na internet do mundo para prejudicar os editores de notícias e outros vendedores de anúncios na Internet. As autoridades disseram que um serviço pertencente à gigante do Vale do Silício e usado por terceiros para vender publicidade na Internet deu tratamento preferencial ao negócio do Google, reduzindo a concorrência.

Como parte do acordo, as autoridades francesas disseram que a Google concordou em encerrar a prática de dar tratamento preferencial a seus serviços e mudar seu sistema de publicidade para que funcionasse mais facilmente com outros serviços. O regulador francês descobriu que a plataforma de gerenciamento de anúncios do Google para grandes editores - Google Ad Manager - favoreceu o próprio mercado de anúncios online da empresa - Google AdX - onde editores vendem espaço para anunciantes em tempo real.

O Ad Manager forneceu ao AdX dados estratégicos, como os preços dos lances vencedores, enquanto o AdX também teve acesso privilegiado às solicitações feitas pelos anunciantes por meio dos serviços de anúncios do Google, disse a autoridade. O AdX, por sua vez, trocou dados com mais facilidade com o Ad Manager do que com outras plataformas de gerenciamento de publicidade, acrescentou o watchdog. Essas plataformas são cruciais para que os editores gerenciem e vendam espaço publicitário.

Algumas mudanças serão implementadas até o primeiro trimestre de 2022, disse, acrescentando que o Google não apelará da decisão. A Google também disse que concordou em tornar mais fácil para os editores usar seus dados e ferramentas.  “Estaremos testando e desenvolvendo essas mudanças nos próximos meses antes de implementá-las de forma mais ampla, incluindo algumas globalmente”, acrescentou a empresa.

Nos Estados Unidos, a Google está enfrentando um processo antitruste semelhante sobre sua tecnologia de publicidade online de um grupo de procuradores-gerais esstaduais, bem como do regulador antitruste da Grã-Bretanha.

* Com informações da Reuters e do NYT


Revista Abranet 35 . ago/set/out 2021
Veja a Revista Abranet nº 35
Sua empresa está engajada em ESG?, muito além da última milha, telemedicina avança na pandemia, como atuar nas escolas públicas, moedas digitais, pesquisa TICs Provedores... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

Entidade OTT se mobiliza para mudar Marco Civil para combater pirataria

A Associação de Brasileira de OTT - Abott's - lançou um manifesto onde revela preocupação com o momento do setor e pede ações para ampliar mercado e assegurar a legalidade do modelo.

Brisanet levanta R$ 1,3 bilhão com IPO na B3

Recursos serão usados para a expansão da rede própria e para impulsionar os negócios da Agility Telecom, fornecedora de serviços de internet no modelo de franquias.

Brasil TecPar quer ser um ISP nacional e avança no Rio de Janeiro

Empresa, dona da Ávato Tecnologia e Amigo Internet, comprou a Intnet, com atuação na região dos Lagos. Meta  é chegar a 1 milhão de serviços prestados para clientes residenciais e empresariais em 2023. O valor da transação não foi revelado.

Para a Justiça, vender e não entregar produto na Internet não configura dano moral

A 1° Turma da 1ª Câmara Regional de Caruaru, na Paraíba, indeferiu o pedido de um cliente que comprou um celular pela internet mas nunca recebeu o pedido.  O autor comprou um celular, que nunca chegou, e solicitou indenização.

Anatel adia para 31 de agosto prazo para envio de dados dos ISPs

Agência reguladora atendeu a um pedido da Abranet, preocupada com a demanda junto às pequenas prestadoras de serviços de telecomunicações e com as possíveis sanções pelo não atendimento a demanda.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G