Clicky

Convergência Digital - Home

Small data e wide data: entendam como essas tecnologias reescrevem o big data

Convergência Digital
Convergência Digital - 26/05/2021

Até 2025, 70% das organizações mudarão seu foco de big data para pesquisas de dados mais abrangentes conhecidas como small data, fornecendo mais contexto para análises específicas e tornando a inteligência artificial (IA) menos dependente de enormes quantidades de dados. A previsão é do Gartner, segundo o qual a recomendação é que líderes de data & analytics (D&A) devem recorrer a novas técnicas de análise conhecidas como "small data" (pequenos dados) e "wide data" (dados amplos).

Em nota, Jim Hare, vice-presidente de pesquisa do Gartner, explicou que interrupções como a pandemia covid-19 estão fazendo com que dados históricos que refletem condições passadas se tornem rapidamente obsoletos, o que está quebrando muitos modelos de inteligência artificial e aprendizado de máquina (ML, sigla em inglês para machine learning).

Segundo Hare, a tomada de decisões por humanos e IA tornou-se mais complexa e exigente; e excessivamente dependente de abordagens de aprendizado profundo dependentes de um enorme conjunto de dados. Ele avalia que, juntas, técnicas de small e wide data são capazes de usar os dados disponíveis com mais eficácia, reduzindo o volume necessário ou extraindo mais valor de fontes de dados diversificadas e não estruturadas.

Small data e wide data permitem o avanço nas análises de dados e uso de inteligência artificial. A utilização de small data é uma abordagem que requer menos dados, mas totalmente direcionada para insights úteis para os negócios. Esse modelo inclui certas técnicas de análise de série temporal ou aprendizado baseado em poucos instantes, dados sintéticos ou aprendizado supervisionados automaticamente.

Já o uso de dados mais abrangentes (wide data) permite a análise dos registros por meio da sinergia de diversas fontes de dados (pequenas ou grandes) não-estruturados e estruturados. Esse modelo aplica análises X, com X significando encontrar links entre fontes de dados, bem como para uma diversidade de formatos de dados. Esses formatos incluem tabular, texto, imagem, vídeo, áudio, voz, temperatura ou mesmo cheiro e vibração.

Hare explicou que ambas as abordagens facilitam as análises de dados e a aplicação de IA de forma mais robusta, reduzindo a dependência de uma organização em relação ao conjunto de big data e permitindo uma consciência situacional mais rica e completa, em 360 graus. 

Aplicações de small e wide data podem ser usadas em áreas como a previsão de demanda no varejo, inteligência comportamental e emocional em tempo real e no atendimento ao cliente aplicada à hiperpersonalização e melhoria da experiência do cliente.

Outras áreas incluem segurança física ou detecção de fraudes e sistemas autônomos adaptativos, como robôs, que aprendem constantemente pela análise de correlações no tempo e no espaço de eventos em diferentes canais sensoriais.


Destaques
Destaques

TIM elege a nuvem e mira não ter mais datacenter em 2023

Ao assumir estar no meio de uma jornada para ser uma operadora 100% baseada em dados, a CIO da TIM Brasil, Auana Mattar, conta como é trabalhar com três provedores: Google, Microsoft e Oracle. Ao participar do SAS Telco Summit 2021, a executiva observou: é importante estudar as aplicações e como elas se comunicam antes de migrá-las para computação em nuvem.

Inteligência Artificial: Com estratégia certa, impacto de quatro pontos no PIB do Brasil até 2030

A inteligência artificial exige que se forme e qualifique profissionais no país, advertem especialistas. Para eles, a IA evoluiu e já passou da etapa de experimentação pra uso industrial. Para Fábio Cozman, da USP, a IA leva o país para a Sociedade 5.0, quando máquinas e seres humanos vão interagir de forma harmoniosa.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como ter nuvem sem reescrever sistemas e adequada à LGPD

Por Marco Wenna*

Como auditar e reescrever linhas de código em tempo hábil para essas migrações para a nuvem a um custo factível para que todas as linhas de código estejam em conformidade com a Lei Geral de Proteção a Dado? Esse é um desafio presente.

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site