Clicky

Convergência Digital - Home

Seguradoras priorizam inteligência de dados para oferecer novos modelos de negócios

Convergência Digital
Por Roberta Prescott* - 14/06/2021

A inteligência do dado tem sido uma ferramenta fundamental para a HDI Seguros, sustentou a diretora de TI, Denise Ciavatta. Segundo ela, a seguradora tem utilizado dados como forma de otimizar a proposta de valor, sendo, cada vez mais uma estratégia essencial para a dia a dia da companhia.

"Investimos muito nisso, estudando mecanismos para apoiar o cliente para evitar, por exemplo, situações de risco. Outro exemplo é como o dado pode nos ajudar a oferecer novos modelos de negócios", disse. Houve, segundo a executiva, um avanço grande na adoção de ferramentas de inteligência que levem a ofertas mais personalizadas. "Estamos olhando a possibilidade de oferecer serviços para aquele cliente. É um olhar distinto que começamos a trazer para a nossa indústria", apontou.

Na Porto Seguro, de acordo com o diretor-técnico e CDO, Fabio Morita, o uso dos dados está na linha de melhorar a experiência do cliente. Como exemplo, citou o 'Trânsito mais Gentil' que faz personalização do risco. Já a SulAmérica faz captações para gerar situações preditivas e prescritivas, informou Alexandre Putini, diretor de inovação, transformação digital e advanced analytics da companhia, dando como exemplo, a coleta e análises de dados para prevenção de doenças crônicas e complexas. 

O tema da prevenção faz, para Denise Ciavatta, da HDI Seguros, todo o sentido e é um ciclo virtuoso. "Em saúde, é bastante óbvio, mas podemos expandir para outras dimensões. Temos exemplos de como nos adaptamos às realidades. Hoje, temos cobertura para quem está vivenciando home office", disse. "Quanto mais as casas estiverem conectadas, mais prevenção, como falamos de acompanhamento médico das pessoas", acrescentou.

A covid-19 levou mais gente para trabalhar de casa e a Porto Seguro viu aumentar os chamados para serviços residenciais. "As pessoas estão usando mais aparelhos, há uma maior demanda. Temos serviços embutidos aos seguros, além das ofertas avulsas, com um potencial aumento de interesse. IoT residencial é um terreno fértil", apontou Fabio Morita, diretor-técnico e CDO da Porto Seguro.

Os gestores das seguradoras, porém, destacaram que a maior utilização dos dados tem de observar os limites da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). "O primeiro desafio é a privacidade versus o uso de dados para gerar experiências encantadoras. Temos a LGPD que temos de estar em compliance e o desafio é este trade off", ponderou Alexandre Putini, da SulAmérica.

"Não tem opção, tem de estar em compliance com LGPD. Mesmo assim se consegue apresentar para o cliente soluções baseadas em dados. Nosso posicionamento é dar liberdade e flexibilidade para que o cliente possa liberar o que pode ou não ser consumido", adicionou o diretor de Inovação e trasnformação digital  da SulAmérica. Denise Ciavatta, da HDI Seguros, Fabio Morita, da Porto Seguro, e Alexandre Putini, da SulAmérica, participaram do Insurance Summit Brazil 2021, realizado pelo SAS, na semana passada.



Destaques
Destaques

TIM elege a nuvem e mira não ter mais datacenter em 2023

Ao assumir estar no meio de uma jornada para ser uma operadora 100% baseada em dados, a CIO da TIM Brasil, Auana Mattar, conta como é trabalhar com três provedores: Google, Microsoft e Oracle. Ao participar do SAS Telco Summit 2021, a executiva observou: é importante estudar as aplicações e como elas se comunicam antes de migrá-las para computação em nuvem.

Inteligência Artificial: Com estratégia certa, impacto de quatro pontos no PIB do Brasil até 2030

A inteligência artificial exige que se forme e qualifique profissionais no país, advertem especialistas. Para eles, a IA evoluiu e já passou da etapa de experimentação pra uso industrial. Para Fábio Cozman, da USP, a IA leva o país para a Sociedade 5.0, quando máquinas e seres humanos vão interagir de forma harmoniosa.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como ter nuvem sem reescrever sistemas e adequada à LGPD

Por Marco Wenna*

Como auditar e reescrever linhas de código em tempo hábil para essas migrações para a nuvem a um custo factível para que todas as linhas de código estejam em conformidade com a Lei Geral de Proteção a Dado? Esse é um desafio presente.

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site