Clicky

Convergência Digital - Home

Neoenergia contrata hiperconvergência para centralizar gestão operacional

Convergência Digital
Convergência Digital - 11/06/2021

O grupo Neoenergia – empresa controlada pelo grupo espanhol Iberdrola, que atua com geração, distribuição, transmissão e comercialização de energia elétrica - investiu na aquisição de soluções de hiperconvergência da Nutanix para centralizar e simplificar a gestão da estrutura operacional e tecnológica de quatro subsidiárias – Celpe (PE), Coelba (BA), Cosern (RN) e Elektro (SP e MT). Fundada em 1997, a Neoenergia está presente em 18 estados brasileiros e no Distrito Federal, com investimentos em distribuição de energia elétrica e atendimento a mais de  15 milhões de clientes – uma população de, aproximadamente, 37 milhões de pessoas. Os valores do contrato não foram revelados.

A solução de hiperconvergência (HCI) da Nutanix, implementada em parceria com a integradora Populos, além de centralizar em uma única plataforma todos os processos internos voltados à operação do sistema elétrico e infraestrutura tecnológica das subsidiárias, ainda permitiu aumento da performance de processamento, estabilidade, velocidade e escalabilidade de dados em comparação à tecnologia convencional.

No cenário anterior, a Neoenergia utilizava uma arquitetura tradicional de três camadas e um de seus principais gargalos era a complexidade de gerenciamento do ambiente distribuído por diversos sites/subsidiárias. Além disso, era necessário contar com uma solução que atendesse às exigências do negócio, otimizando a performance no fluxo e cruzamento de dados, especialmente para a área de TO (Tecnologia Operacional).

O trabalho envolveu consultoria e implantação de uma plataforma totalmente integrada. Com isso, foi possível otimizar cargas de trabalho da equipe de O&M de Infraestrutura e automatizar a gestão de alguns processos da plataforma hiperconvergente que suporta sistemas importantes relacionados com o fornecimento de energia, manutenção da rede, medição de energia, ativação de pontos elétricos, acesso a bancos de dados de sistemas operativos, sistemas SCADA, entre outros ambientes de missão crítica. O provisionamento de ativos, que poderia demorar dias, hoje é realizado em poucos minutos com resiliência e sistema completo de Recuperação de Desastre (DR).

Foram necessários apenas 45 dias para a implementação de uma infraestrutura de 68 nós nas quatro subsidiárias, com imediata melhoria nos processos internos da Neoenergia e benefícios aos consumidores, que com uma infraestrutura de rede mais robusta suportando os sistemas que operam a rede elétrica, passaram a contar com mais segurança e estabilidade em sua rede. Isso aconteceu em meio à pandemia, o que exigiu cuidados redobrados com protocolos de segurança.

Segundo o supervisor de Sistemas de Tempo Real e Cibersegurança da Neoenergia, Bruno Agra, “a digitalização da rede elétrica (Smart Grids) é a alma das empresas modernas e eficientes na operação de suas redes elétricas. A opção pela Hiperconvergência, como ambiente de infraestrutura, representa um salto na qualidade dos serviços prestados pelas distribuidoras”. Ele acrescenta que esse ambiente unificado será a base de sustentação para os sistemas utilizados para operar o Sistema Elétrico na Neoenergia.

A proteção dos dados é outra vantagem para a Neoenergia estendida aos clientes, uma vez que a iniciativa segue as melhores práticas de cibersegurança, com servidores hiperconvergentes de alta capacidade de processamento e uma solução de nuvem privada de última geração. Embora não seja um plano imediato da companhia elétrica, a solução poderia, no futuro, ser integrada à nuvem pública, sem a necessidade de novas implementações ou trocas de plataformas.

Os usuários do sistema são o time de TO e parceiros da Neoenergia. Eles não sofreram com modificações significativas na interface e continuam utilizando um sistema ao qual já estavam acostumados. O projeto conta, hoje, com 68 nós, divididos entre as quatro concessionárias e conectados entre si.


Destaques
Destaques

TIM elege a nuvem e mira não ter mais datacenter em 2023

Ao assumir estar no meio de uma jornada para ser uma operadora 100% baseada em dados, a CIO da TIM Brasil, Auana Mattar, conta como é trabalhar com três provedores: Google, Microsoft e Oracle. Ao participar do SAS Telco Summit 2021, a executiva observou: é importante estudar as aplicações e como elas se comunicam antes de migrá-las para computação em nuvem.

Inteligência Artificial: Com estratégia certa, impacto de quatro pontos no PIB do Brasil até 2030

A inteligência artificial exige que se forme e qualifique profissionais no país, advertem especialistas. Para eles, a IA evoluiu e já passou da etapa de experimentação pra uso industrial. Para Fábio Cozman, da USP, a IA leva o país para a Sociedade 5.0, quando máquinas e seres humanos vão interagir de forma harmoniosa.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como ter nuvem sem reescrever sistemas e adequada à LGPD

Por Marco Wenna*

Como auditar e reescrever linhas de código em tempo hábil para essas migrações para a nuvem a um custo factível para que todas as linhas de código estejam em conformidade com a Lei Geral de Proteção a Dado? Esse é um desafio presente.

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site