Clicky

Convergência Digital - Home

AWS vai capacitar 29 milhões em computação na nuvem

Convergência Digital
Por Roberta Prescott* - 15/12/2020

Migrar de um capitalismo dos acionistas (shareholders) para o capitalismo das partes interessadas (stakeholders); novos valores das companhias e habilidades que os profissionais devem ter foram alguns dos temas debatidos pelo professor Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial (WEF), e Teresa Carlson, vice-presidente do setor público mundial da AWS, durante o re:Invent 2020.

Ao apresentar Schwab, Teresa Carlson ressaltou que ele é um dos líderes mais perspicazes do mundo atual. "Desde que fundou o Fórum Econômico Mundial, em 1971, ele realmente defendeu a ideia de que as empresas modernas não são apenas de acionistas, mas também de todas as partes envolvidas, interessados em alcançar crescimento e prosperidade de longo prazo", disse.

A tecnologia digital está transformando os setores e para as economias isso têm tido uma implicação profunda em como os setores privados no setor público irão interagir com as partes interessadas em todo o mundo. A pandemia, apontou Teresa Carlson, impactou todos e imprimiu mudanças que vão exigir repensar a maneira como são ensinadas habilidades e a maneira como se conectam os indivíduos com os empregos. Nesse sentido, o Fórum Econômico Mundial lançou a ideia de reinicialização, oportunidade para reinvenção.

"O sistema capitalista nos proporcionou um tremendo progresso econômico e desenvolvimento social e ele permite que alguém como Jeff Bezos faça o que fez para criar valor, mas o sistema também mostrou algumas deficiências, por exemplo, tantas pessoas que ficam para trás e podem não ter um mundo decente, o que é necessário para ter uma vida decente e vemos também os danos que causamos à nossa natureza. Portanto, veja que a pandemia tem derramado muito mais evidências de deficiências e as pessoas se tornaram mais conscientes. Temos que fazer algo a respeito. É uma grande oportunidade de formular políticas", disse Klaus Schwab.

Para ele, as empresas têm que liderar um movimento de passar do capitalismo dos acionistas (shareholders) para o capitalismo das partes interessadas (stakeholders), o que significa não apenas olhar para os lucros de curto prazo. "É sempre ter alguma paz cívica. Não é apenas o mundo material, têm as pessoas, a natureza e temos que cuidar. A Covid-19 tem mostrado que algumas empresas que estão trabalhando comprometidas com esta nova forma de capitalismo tiveram um desempenho melhor em comparação com empresas que buscavam apenas vantagens e lucro de curto prazo", assinalou Schwab. 

Habilidades necessárias

Falando sobre capacitação de mão de obra, Teresa Carlson ressaltou a necessidade de se garantir que todos ao redor do mundo tenham acesso a programas de treinamento, não importando o status social, histórico econômico ou nível educacional. "Anuncio que, pela primeira vez, em 2025, a AWS ajudará 29 milhões de pessoas a desenvolverem suas habilidades técnicas com treinamento gratuito de habilidades de computação em nuvem", disse. 

Para o professor Klaus Schwab, companhias de alta tecnologia como a AWS têm uma responsabilidade muito particular no quesito de formação e contou tem feito pesquisas sobre capacidade e elas mostram que as pessoas têm de ter capacidade de resolução de problemas complexos, pensamento crítico e analítico, criatividade e capacidade de tomar iniciativas. Tais características devem se somar a aspectos mais de personalidade como flexibilidade, tolerância ao estresse e resiliência.

Com relação à demanda de profissionais para o futuro, Schwab apontou cientistas e analistas de dados, especialistas em inteligência artificial, especialistas em big data e  especialistas em marketing digital e estratégia. Olhando para o modelo educacional, Schwab ressaltou que há uma revolução em curso impulsionada pela digitalização da educação. "E, se você combinar isso com inteligência artificial, podemos ter uma espécie de comoditização, o que significa que todos têm acesso, mas também, com inteligência artificial, podemos ter uma individualização da educação. Então, vejo novas oportunidades fantásticas, combinando digitalização com inteligência artificial", explicou.

 


Destaques
Destaques

TIM elege a nuvem e mira não ter mais datacenter em 2023

Ao assumir estar no meio de uma jornada para ser uma operadora 100% baseada em dados, a CIO da TIM Brasil, Auana Mattar, conta como é trabalhar com três provedores: Google, Microsoft e Oracle. Ao participar do SAS Telco Summit 2021, a executiva observou: é importante estudar as aplicações e como elas se comunicam antes de migrá-las para computação em nuvem.

Inteligência Artificial: Com estratégia certa, impacto de quatro pontos no PIB do Brasil até 2030

A inteligência artificial exige que se forme e qualifique profissionais no país, advertem especialistas. Para eles, a IA evoluiu e já passou da etapa de experimentação pra uso industrial. Para Fábio Cozman, da USP, a IA leva o país para a Sociedade 5.0, quando máquinas e seres humanos vão interagir de forma harmoniosa.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como ter nuvem sem reescrever sistemas e adequada à LGPD

Por Marco Wenna*

Como auditar e reescrever linhas de código em tempo hábil para essas migrações para a nuvem a um custo factível para que todas as linhas de código estejam em conformidade com a Lei Geral de Proteção a Dado? Esse é um desafio presente.

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site