Home - Convergência Digital

Certificação é critério de seleção para encarregado de dados

Luís Osvaldo Grossmann e Ana Paula Lobo - 14/10/2020

Entre as medidas que qualquer empresa deve tomar para se adequar à Lei Geral de Proteção de Dados (13.709/18), a escolha do encarregado de dados, ou DPO no anglicismo que já é jargão [de Data Protection Officer] está certamente no topo da lista. E embora a lei não exija competências específicas para esse novo profissional, na prática o mercado prefere aqueles com certificação. 

“Não existe essa obrigação, mas já existem no mercado certificações, inclusive internacionais, algo que eu recomendo. Se uma pessoa quer enveredar por esse caminho é importante que ela se especialize, que conheça a legislação, que conheça as ISOs de segurança, que esteja antenada nas decisões, entenda a fundo conceitos, as discussões envolvidas. Não basta ter um conhecimento raso”, aponta a gerente jurídica escritório Martinelli Advogados, Mariana Blanes. 

Ao debater o tema durante o CDemPauta sobre a aplicação da LGPD, realizado nesta quarta-feira, 14/10, a especialista lembrou que a lei deixou em aberto o perfil do encarregado de dados, inclusive a forma de contratação.

“Pode ser uma pessoa física ou pessoa jurídica, pode ser um funcionário ou pode ser terceirizado. Ele é o canal de comunicação entre o controlador, entre o titular do dado e entre a Autoridade Nacional. Então precisa ser alguém que tenha bom transito entre as áreas e que conheça a operação da empresa. A LGPD não traz nenhuma habilidade especial ou qualificação técnica necessária, nem limitação à forma de contratação ou tipo de vínculo. Na União Europeia, a recomendação é que não seja alguém com contrato de curto prazo, mas com contrato de dois a cinco anos, que só pode ser desligado com autorização da autoridade nacional. O objetivo disso é que o DPO possa exercer as atividades sem pressão ou influência.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/10/2020
Senado aprova primeiro conselho diretor da ANPD

20/10/2020
LGPD: Apenas 30% das empresas do agronegócio estão adequadas à LGPD

19/10/2020
Ainda sem autonomia, ANPD vai negociar estrutura com Casa Civil

19/10/2020
Vazamento de dados é pesadelo das empresas e segurança cibernética é missão da ANPD

19/10/2020
ANPD precisa ter status de autarquia especial e independente

19/10/2020
Diretor da ANPD defende tratamento diferenciado às PMEs

19/10/2020
Segurança jurídica da ANPD passa por ouvir a sociedade

19/10/2020
Com sabatina relâmpago, comissão aprova indicados à ANPD

19/10/2020
Justiça cita LGPD e manda Mercado Livre suspender anúncio de venda de dados cadastrais

16/10/2020
Para TI, regras para PMEs e coesão institucional são prioridades da ANPD

Desafio nacional: identificar os dados efetivamente valiosos ao negócio

Pesquisa da IDC mostra que quase a metade companhias pesquisadas no Brasil admitiu ter dificuldade para encontrar talentos e recursos responsáveis pelas análises das informações.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Futuro sem aposentadoria – qual a saída?

Por luis Macedo*

O futuro financeiro nunca foi tão incerto. A aposentadoria "oficial", pelo INSS, fica cada vez mais distante para muitas pessoas, especialmente porque o mundo do trabalho mudou. Uma alternativa para uma parcela significativa da população que não tem carteira assinada são os fundos de previdência. O problema, no entanto, é a infinidade de fundos que existem.

Destaques
Destaques

Ministério Público: Teletrabalho exige direito à desconexão

Ministério Público do Trabalho elaborou uma nota técnica direcionada para as “empresas, sindicatos e órgãos da administração pública”.  Na orientação, sugere a adoção de etiqueta digital para orientação de patrões e empregados.

Dos 10% em teletrabalho no Brasil, maioria é branca, tem diploma e maior renda

Segundo o Dieese, 8,4 milhões de brasileiros trabalham de casa por conta da pandemia de Covid-19. Proporção chega a 22% dos trabalhadores em Brasília, mas não passa de 3% no Pará. 

Um em cada cinco servidores públicos será substituído por robô no Brasil

A Escola Nacional de Administração Pública estima que, por conta da Transformação Digital, a automação deverá substituir cerca de 100 mil postos de trabalho no Serviço Público Federal nos próximos cinco a 10 anos, sendo que a metade deles terá menos de 50 anos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site