TELECOM

Guerra pela Oi Móvel. Claro, TIM e Vivo sobem proposta para R$ 16,5 bilhões

Ana Paula Lobo* ... 28/07/2020 ... Convergência Digital

Já era esperado. Surgiu o contragolpe do consórcio das teles - Claro, TIM e Vivo - pela compra dos ativos da Oi Móvel. Em fatos relevantes divulgados no final da noite desta segunda-feira, 27/07, Vivo e TIM revelam uma proposta de R$ 16,5 bilhões - acima do divulgado pela Oi para a proposta da Highline do Brasil.

E para 'ganhar a empatia', o consórcio das teles endossam um discurso de 'solidez financeira', 'compromisso pelo Brasil' e vantagens para os acionistas da Oi' como reação  à exclusividade dada pela Oi à Highline do Brasil. Essa 'exclusividade' vai até o dia 03 de agosto, mas pode ser prorrogada, se for interesse das duas companhias.

Também como opção à Oi - agora de forma mais objetiva - o consórcio das teles oferece 'a possibilidade de assinar com o Grupo Oi, contratos de longog prazo para uso de infraestrutura', o que significa dar o opção ao modelo da InfraCo, proposta no aditamento de recuperação judicial no dia 16 de junho. As propostas à mesa precisam passar pela Assembleia de credores da Oi, ainda a ser marcada.

O Convergência Digital publica a íntegra do fato relevante da Telefônica/Vivo:

A Telefônica Brasil S.A. ("Companhia"), na forma e para os fins da Instrução CVM nº 358/2002 ("ICVM 358"), conforme alterada, em continuidade aos Fatos Relevantes divulgados em 10 de março de 2020 e em 18 de julho de 2020, informa aos seus acionistas e ao mercado em geral que, em Reunião realizada na presente data, o Conselho de Administração da Companhia aprovou a prorrogação e revisão da oferta vinculante para aquisição do negócio móvel do Grupo Oi, em conjunto com a TIM S.A. ("TIM") e Claro S.A. ("Claro"), todas conjuntamente "Ofertantes" e a apresentação de nova proposta, no valor de R$ 16.500.000.000,00. Tal proposta conjunta, considera, adicionalmente, a possibilidade de assinar com o Grupo Oi, contratos de longo prazo para uso de infraestrutura.

A oferta vinculante revisada foi submetida pelas partes acima indicadas, sendo sujeita a determinadas condições, especialmente a seleção das ofertantes como "stalking horse" ("primeiro proponente"), com o direito de oferecer valor maior do que eventual proposta apresentada por terceiro ("right to top") no processo competitivo de venda do negócio móvel do Grupo Oi.

A revisão da oferta vinculante reafirma o interesse da Companhia em relação à aquisição dos ativos móveis do Grupo Oi, bem como em contribuir com a continuidade do desenvolvimento da telefonia móvel no país, considerando a larga experiência global que possui no setor de telecomunicações e o profundo conhecimento do mercado brasileiro.

Como operadora de reconhecida solidez financeira, e com presença e histórico de intensos investimentos de longo prazo no Brasil, a Companhia está certa de que a oferta conjunta das Ofertantes, caso aceita e caso seja vencedora, trará benefícios a seus acionistas através da aceleração de crescimento e geração de eficiências, a clientes através de melhoria na experiência de uso e qualidade do serviço prestado, e ao setor como um todo através de reforço em sua capacidade de investimento, inovação tecnológica e competitividade e, nesse sentido, favorece e está em linha com a regulação que visa construir e consolidar no País um serviço de telefonia móvel forte e eficiente.

A Companhia considera que a oferta também endereça as necessidades financeiras do Grupo Oi, de amplo conhecimento do mercado em geral, para que este possa implementar seu plano estratégico e atender seus credores, nos termos do Plano de Recuperação Judicial.

A Companhia manterá seus acionistas e o mercado geral devidamente informados do andamento do processo em relação à nova oferta apresentada, nos termos da ICVM 358 e da legislação aplicável.

São Paulo, 27 de julho de 2020.
David Melcon Sanchez-Friera
CFO e Diretor de Relações com Investidores
Telefônica Brasil - Relações com Investidores
Tel: +55 11 3430-3687 Email: ir.br@telefonica.com www.telefonica.com.br/ri


Internet Móvel 3G 4G
Huawei usa robôs em centro de distribuição no Brasil com uso do 5G industrial

Centro de Distribuição de Sorocaba-SP foi 100% digitalizado e ganhou maior capacidade de transferência de dados e a menor latência da nova geração tecnológica. Fabricante diz que houve um ganho de eficiência de 30%. 

Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

Uso do Espectro, Defesa dos Usuários, Prestadoras de Pequeno Porte, Aferição da Qualidade, Ofertas de Atacado, Acompanhamento de Redes são alguns dos grupos reestabelecidos pela agência. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G